terça-feira, abril 26, 2005

OTA + MONTEJUNTO com 300 kg ás costas

Belíssimo passeio na zona da Ota e Montejunto, com o tempo a variar entre a chuva torrencial e o sol torrencial, num total de 50 km.

E dizem vocês: "50 quêêêê?!?!. Km's?? ganda menino e não sei quê..."
Pois mas o pormenor, é que desses 50km's, 30 foram feitos a puxar 300 kg de carne. Não acreditam? Eu tenho fotos, e posso enviar à cobrança a quem duvidar. 300 kg divididos, mais ou menos irmamente, por 4 saquinhos com pernas, braços e "cabeça".

Pois é estes meus 4 amigos, fizeram deste passeio BTT um dos melhores passeios pedestres que realizei até à presente data, e mostraram-me simpaticamente como posso conjugar as tardes passadas com o meu avô no jardim, e fazer "btt" ao mesmo tempo. Excelente cadência.

Ligação Alenquer-Ota (+-10K) a solo e sob uma chuva molha-par..."gente que não sabe ver o tempo, no dia em que fez as malas para casa da sogra". Quando lá cheguei já os saquinhos esperavam que eu aparecesse para lhes montar a roda de trás... e toda a gente sabe que montar é mais dificil do que desmontar. E para montar já se sabe estou cá eu EHEH... eheheh... hmmm... continuando...

Partimos, e passados 10 metros planos, fizemos a primeira paragem para reabastecer... "..ahhh é preciso levar água???" - lembrou um dos saquinhos mais inteligente.

Pronto, depois foi subir até ao parque de merendas da Ota, descer até ao riacho passando pelos famosos S's (sempre a pé e a apreciar os passarinhos claro) , subir depois pelas pedras, passar pela subida das colmeias, e esta tive mesmo de a fazer a pé porque senão não me largavam com beijinhos, fotografias e autógrafos, e chegamos mais uma vez a um alto, que serve uma vista de babar por mais... Uma bela descida em pedra, com uma igual subida em piso extremamente aderente, um must.

Andamos mais um bocadinho, por terra e apanhamos a estrada que vai dar à Abrigada.
Passaram entretanto, 10 km e 2 horas de "pedalada", e como o desgaste tinha sido assombroso e entretanto já estavamos perto da hora de almoço, decidimos comer qualquer coisa (caldo verde + frango e meio a cada um).

Acabado o petisco, pusemo-nos ao caminho e desta feita, subimos pelo estradão de terra brilhante até à "aldeia das cinzas", e onde a camada de 8cm de creme protector +500 que bezuntei nos braços, não chegou para evitar que eu apanhasse mais um valente escaldão à espera que aquelas lesmas babosas se arrastassem rampinha acima.

A partir dali, foi descer até a Abrigada novamente e seguir direitos à Ota via pedreiras, com mais uns sobe e desce pelo meio e consequentes escaldões...

Os saquinhos fizeram cerca de 30 km em menos de 6h48 minutos, e eu mais 20 km das ligações Alenquer-Ota-Alenquer.

Média ao chegar à Ota: 56,4 kmh
Média ao chegar à Ota depois da volta com os 300 kg ás costas: 3,29 km/h
Média ao chegar a Alenquer: 67,4 km (mas apanhei algum vento pelas costas)

Triste mas foi assim...

R

DUATLO DO CADAVAL - next 30 de Abril

Para quem vai ao duatlo do Cadaval no próximo dia 30 de Abril, fica desde já avisado que o segmento de ciclismo vai fazer muita mossa nos menos preparados, como eu.

Esta vai ser a minha primeira participaçao neste duatlo, e a 2ª no total (com a estreia feita em Grândola), e portanto não participei na edição do ano passado. No entanto sei que o percurso foi alterado devido às obras na estrada de Paio Pires (ou coisa que o valha), e portanto este ano o traçado começa à saída do Cadaval em direcção à Murteira e ao chegar à entrada desta localidade corta-se à direita para Chão de Sapo (ou coisa que o valha2) e chegados aí voltamos novamente á direita de regresso ao Cadaval, num perímetro com cerca de 7 km e com duas subidas que vão fazer as delícias dos Armestrongs portugueses.

Acabei as 3 voltas em 40 minutos e com cerca de 30 km/h de média, mas estava o chão molhado e bastante vento de frente nalgumas zonas.

Eu de certeza que vou chegar com cãimbras á 2ª corrida :)


PERCURSO DETALHADO:

Saída do parque de transição, à saída Este de Alenquer, e vira-se imediatamente à esquerda em direcção á Murteira

500 m praticamente sempre a descer, onde facilmente se passa dos 60km/h, no entanto se estiver a chover nesse dia prevejo situações potencialmente perigosas uma vez que a descida é algo sinuosa.

Segue-se mais 1 km de sobe e desce pouco acentuado mas ainda assim a exigir trabalho significativo caso se queira manter um bom ritmo

Acabados de descer, encontramos a 1ª dificuldade. Depois de uma curva á esquerda, temos que superar um topo com cerca de 100 m de comprimento mas com cerca de 16.327 % de inclinação, que na última volta já parecem 20%

Ainda a subir, não chegamos a entrar na Murteira, e cortamos para a direita e para baixo em direcção a Chão de Sapo, numa curta mas inclinada descida

Terminada a descida, a estrada curva para a direita e chegamos à 2ª dificuldade do percurso, com uma subida de quase 1km, em que ao longo da subida a inclinação vai aumentando (na última volta esgotei as mudanças), de facto este será certamente o ponto onde se tentarão largar eventuais “parasitas”

Chegados a Chão de Sapo, entramos na estrada nacional em direcção a Alenquer e são mais 3km quase planos até ao Cadaval e onde o efeito roda terá mais importância. No resto do percurso não me parece ser muito possível tirar partido da roda.

E pronto está feito o reconhecimento. Dia 30, lá estaremos a sofrer todos em conjunto.

Sigaaaaaaaaaaaaaaaa....


segunda-feira, abril 04, 2005

TRIATLO DE QUARTEIRA SEM SURPRESAS

Aconteceu este Domingo em Quarteira o 1º Triatlo do ano em Portugal a contar para a Taça, no formato sprint, com as distâncias 750m-20Km-5Km, e onde o segmento da natação, pelo que soube, fez a selecção natural dos atletas.


Com o segmento de ciclismo e corrida, praticamente planos, quem estivesse menos bem no 1º segmento teria bastantes dificuldades em emendar essa prestação nos 2 segmentos seguintes.

Assim, no final, tivemos os vencedores esperados, tanto em masculinos como em femininos.

1º Masc - Bruno Pais

1º Feminino - Vanessa Fernandes

Mais informações em:www.federacao-triatlo.com

R

sexta-feira, abril 01, 2005

Fim de semana 'aiKedores' 2004

Nos dias 9 , 10 , 11 e 12 de Junho de 2004 foram realizados testes de nutrição desportiva na zona do Alentejo Profundo com 11 atletas profissionais da equipa de topo 'aikedores' .
O objectivo seria comprovar a qualidade destes nutrientes numa travessia que ligaria Serpa a Vila Real de S. António pela margem esquerda do Rio Guadiana.
Esta ligação já tinha sido feita à uns anos por alguns dos elementos, mas pela outra margem.

Diário de bordo

- 09/06 - Pias

Pias seria o local escolhido para pernoitar . Chegados ao monte do Ti Hilário foi altura de montar o acampamento num laranjal, com um poço de água fresca .
Estava-se ainda sem os efeitos dos ditos nutrientes no organismo .
Pelas 21:00h os atletas foram deslocados para a famosa Adega do Zorrita, empresa produtora da famosa marca Zorrita de cor tinta. Foram consumidos alguns jarros do Tinto-Endurance-Sport acompanhado por um porco preto sem chifres. A empresa providenciou também animação com um fadista que cabia de pé debaixo da cadeira, foi nessa altura que se trocou o Tinto-Endurance-Sport pela Sagres-Sport-Energy e por Ginja-Bull .
Durante a noite e já no acampamento avistaram-se ovnis de forma acabaçada , isto foi provavelmente devido á mistura de mais de 2 nutrientes diferentes. De referir que os cães, galinhas e galos demonstraram um óptimo companheirismo durante a noite e madrugada.
A meio da noite alguém perguntou onde era a casa de banho ... o que rápidamente alguém aponta para as 500 laranjeiras.

- 10/06 - Serpa / Minas de S.Domingos

Depois de aprendermos que os galos começam a cantar a partir das 3:30h da ‘matina’ , estava na altura de rumar até Serpa, ponto de partida dos nossos testes.
Após o pequeno-almoço, estava na altura de começar a pedalar e comprovar a qualidade dos líquidos ingeridos na noite anterior.
Saímos de Serpa em direcção á Mina de S. Domingos e logo se constatou um dos efeitos secundários, “os gases” ... o que permitiu fazer esta parte do trajecto em tempo record. Após a aplicação dos travões de disco nas bicicletas chegou-se à conclusão que também se pode instalar um 'turbo'.
Com um calor de quase de 40ºC, uma barragem que apareceu no caminho revelou-se um autêntico oásis, tendo-se dado uns valentes mergulhos .
Pedalou-se depois em direcção ao Pulo do Lobo e depois rumou-se já sem qualquer tipo de líquidos em direcção a Corte de Sines onde paramos para atestarmos o organismo de Sagres-Sport-Energy, existiu um atleta que em vez desta bebida optou pela famosa Coca-Cola o que lhe originou uma paragem de digestão, o que comprovou mais uma vez a eficiência comprovada da Sagres-Sport-Energy. De referir que foi esgotado o stock da referida bebida .
Chegados ás Minas de S.Domingos era altura de montar o acampamento junto á sua magnifica barragem.
Após um retemperador banho nas águas da mesma e um tratamento onde foi utilizada a técnica das sanguessugas, estava na hora de ir a Moreanes jantar . Desta vez a bebida a testar era o Sport-Chaminé acompanhado por umas sopas de cação e um cozido de grão, tendo-se finalizado o teste com uma divinal sericaia.
Mais uma vez se comprovou efeitos secundários de alucinações quando alguém já no acampamento insistia, que a maré da barragem tinha subido e que existiam raparigas nuas a dançar na outra margem...

- 11/06 - Minas de S.Domingos / Alcoutim

Depois de se ter aprendido na noite anterior que os javalis não têm cornos mas sim dentes, visitou-se o Museu do complexo Mineiro de S.Domingos numa viagem pelo tempo, que se prolongou durante o pedalar pelas suas ruínas e túneis, onde tivemos que recorrer a lanternas para conseguirmos ver o caminho e espantar os morcegos ... fantástico ...
Chegados à bonita aldeia do Pomarão onde mais uma vez se esgotou a Sagres-Sport-Energy da tasca da aldeia e em que o dono se recusou a todo o custo vender o Presunto-Powerbar-Barrancos dizendo que era para consumo próprio !!
Atravessamos o Pomarão numa pequena embarcação na direcção da Mesquita e depois da subida para esta aldeia rumou-se em direcção a Alcoutim . Depois de uma rica sessão de jacuzi na Ribeira do Vascão, fronteira natural entre o Alentejo e o Algarve, chegamos á zona dos caminhos de 'pé posto ' , conhecidos como o trilho dos contrabandistas .
Apesar do GPS apontar o caminho por cima do mato e árvores , e existir a indicação nas cartas militares de caminho .... estes já não existem ... foram 7 kms a furar mato, a subir morros com um calor infernal, até as cobras e os lagartos estavam á sombra.
Estava a ficar tarde e foi altura de enviar a nossa posição geográfica á 'Rescue Team' que com os seus Land Rover nos localizaram-nos na Godinha já completamente desidratados e arranhados .
De salientar que o GPS tinha ficado sem pilhas, e que o aviso de 'battery low' aparecia um segundo após ser ligado e por cima da coordenada onde se estava. Eis que alguém se lembra de tirar uma fotografia digital ao GPS e depois a ampliar para dai se tirar a respectiva coordenada, simplesmente brilhante
Posteriormente e no bar da praia fluvial de Alcoutim, deu-se início à fase 1 de hidratação ao mesmo tempo que se dava valentes mergulhos na que é considerada a melhor praia fluvial do País, e a única com bandeira azul . A fase 2 de hidratação processou-se desta vez com um branco da zona de Palmela acompanhado por erozes fritas, javali e feijoada de lebre.
Depois da fase 2 de hidratação foi altura de montar o acampamento e partir para a fase 3 de hidratação no bar da praia ... onde as bebidas experimentadas foram ... como é possível não me lembrar !!!!!
Mais uma vez, uma excelente noite onde os sapos e uma coruja com um piar de alarme de automóvel demonstraram ter um óptimo companheirismo … 'all night long' .
Um episódio interessante foi quando a GNR parou junto ao acampamento dizendo-nos que estávamos a fazer campismo selvagem ... apesar de todos pensarmos que iríamos finalmente dormir dentro de casa (esquadra) tal não se verificou... “ Bem desta vez passa ... mas na próxima vez os Senhores .... “

- 12/06 - Alcoutim / Vila Real de Santo António

Era dia do jogo da nossa selecção portanto era obrigatório chegar antes das 17:00h a Vila Real de Santo António e nada melhor que o alcatrão semidesértico das margens do Guadiana para aumentar a média , mais uma vez esgotamos a Sagres-Sport-Energy em Guerreiros do Rio o que me impossibilita de contar o resto da história com exactidão ...
Só sei que a partir daí, entramos para fora de estrada pedalando sempre junto ao Guadiana por caminhos fantásticos onde destaco toda a zona de Sapais e Salinas até chegarmos a Castro Marim com o seu castelo altaneiro.
O passeio terminou na ponta de Santo António em Vila Real de Sto António com um magnífico banho de mar ....

Vimos o jogo num restaurante algures no Algarve acompanhado por muito feijão com lingueirão, petiscos diversos e uma bebida energética de cor branco palha, servida em garrafas verdes de 0,75 cl .... a selecção já tinha 22 jogadores e mesmo assim perdeu.

Isto meus amigos também é BTT … o próximo teste já está marcado e será na Serra da Estrela mais ou menos pela mesma altura !!!

Pedro Duarte / Alex